Pular para o conteúdo principal

História da carochinha


Não dá pra deixar passar.  
O Carta Maior divulgou hoje em seu site uma matéria que me deixou com uma certa quantidade de pulgas atrás da orelha. Ao abrir a página me deparei com o seguinte texto:

DISPOSITIVO MIDIÁTICO DESISTE DE SERRA E QUER INVIABILIZAR FUTURO GOVERNO DILMA

PRESIDENTE LULA MOBILIZA 30 MIL PESSOAS EM CAMPINAS E CONVOCA A RESISTÊNCIA AO ARRASTÃO GOLPISTA

aspas para o Estadão, 17-09: "... o Largo do Rosário, na região central de Campinas foi tomado por cerca de 30 mil pessoas... Apesar do esquema para proteger Lula, muitos prédios comerciais no entorno estavam abarrotados de curiosos nas janelas. Um limpador de janelas parou o que estava fazendo na marquise de um prédio ,ao lado do palco, quando Lula começou a discursar...." Aspas para o discurso do Presidente:

"...nós não vamos derrotar apenas os blocos adversários tucanos, nós vamos derrotar alguns jornais e revistas que se comportam como se fossem partido político e não têm coragem de dizer que são partido político e têm candidato...Eu estive lendo algumas revistas que vão sair essa semana, sobretudo uma que eu não sei o nome dela. Parece "óia” ... destila ódio e mentira. Ódio...Tem dia que determinados setores da imprensa brasileira chegam a ser uma vergonha. Se o dono do jornal lesse o seu jornal e o dono da revista lesse a sua revista, eles ficariam com vergonha do que eles estão escrevendo exatamente neste instante. E eles falam em democracia... Nós não precisamos de formadores de opinião. Nós somos a opinião pública...Eles não suportam escrever que a economia brasileira vai crescer 7% este ano, não se conformam é que um metalúrgico vai criar mais emprego que presidentes elitistas que governaram este País.Não tem nada que faça um tucano sofrer mais do que a gente provar que eles têm um bico muito grande para falar e um bico pequeno para fazer..."
Esse cara é bom mesmo, não podemos negar. Ora, não fosse por um péssimo hábito de desconfiar do óbvio, ele teria me convencido. Resolvi então dar mais trela e segui lendo. A tônica da matéria está na postura assumida pelos grandes veículos da imprensa brasileira que têm comparado as atuais posturas do Lula a Hitler. 

"Alguns dos principais jornais do país estão, há algumas semanas, trabalhando diariamente para imputar ao Presidente Lula a pecha de “ditador” e qualificar a eventual vitoria de Dilma como uma ameaça à democracia. Foi o próprio Serra quem retomou o termo “República Sindicalista”, em reunião com militares no Rio de Janeiro. Agora, o remake de uma antiga propaganda de um periódico de São Paulo insinua comparações entre Lula e Hitler (sic), numa ignóbil peça publicitária que insulta a inteligência dos brasileiros. Cabe lembrar que, no sombrio despertar das ditaduras latino-americanas, golpistas jamais aplicam "golpes". Na pior das hipóteses adotam "medidas extremas para salvar a democracia"."  (leia o texto na íntegra http://www.cartamaior.com.br/templates/materiaMostrar.cfm?materia_id=16972).

Concluída a leitura, me senti numa história infantil, daquelas que os pais contam quando precisam que os filhos adormeçam mais rápido. 
Ou o(a) autor(a) do texto é muito inocente - a começar pelo fato de acreditar que realmente numa instância democrático-burguesa as eleições mudam a vida dos milhares de efetivos trabalhadores brasileiros - ou esqueceu de ligar o botãozinho da tão reivindicada imparcialidade jornalística, porque, assim como a grande imprensa (citada no texto) tem um candidato claro, assim também o tem o(a) referido(a) jornalista. 





Comentários

  1. "Ora, não fosse por um péssimo hábito de desconfiar do óbvio, ele teria me convencido." Exatamente! Porém, são tantos milhões de brasileiros que ele convence =/

    Lamentável o rumo que a política vem tomando pelo mundo. Ao ponto dos cidadãos (grande parte) terem que escolher o "menos ruim" para eleger, e os tantos pobres coitados que dispõe das candidaturas das Tv's.
    Eu continuo a achar que os tantos instrumentos ditatoriais ainda existem, mais aperfeiçoados e nas entrelinhas. Fato.


    Post claro e bem escrito! Novidade ne?! vindo tu ^^ Parabéns!

    bjos

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Memória, a paga do tempo

- Eu rasgaria o tempo assim pudesse!
- O tempo não, a lembrança dos que dele lembram.

(...)

Vejo uma rua.
Sessenta e quatro ladrilhos a me apontar que o esgoto ainda fede.

(...)

Baco treme em risos e avisa a Zeus que a composição desta estória está vermelha de seus melhores vinhos.

(...)

Direcionam ao meu front canalhices de toda ordem. E até me fazem crer que a minha história anda atordoada, esquizofrênica.

(...)

E lhes respondo: Sim. Na minha esquizofrenia, ouço vozes de um passado expurgado com sangue, silêncio e dor.

(...)

E a minha história, meu caro, agora acende um cigarro, respira fundo e espera as cortinas se abrirem para o espetáculo recomeçar!



ID essência

Água. Chaleira. Café.
Ebulição.  Camomila. Água. Chá. Transição. Sampa. Sopro. Pulmão. Poluição. Catavento. Ar. Criança. Distração. Corpo.Velhice. Morte. Evaporação. Casa. Imagem. Memória. Talhação. Caderno. Palavras. Tempo. Deglutição. Pés. Mar. Felicidade. Coração.


Quando chuva

Quando chuva eu era criança. A gente saía da escola correndo e chegava em casa parecendo pintinhos.
A mãe nos dizia, tira essa roupa molhada que é pra não adoecer!
Quando chuva a gente obedecia melhor a mãe porque tudo ficava mais lento e dava até vontade de obedecer. Aquele friozinho esquentava ainda mais o coração.
Quando chuva ela gritava da cozinha, venham comer, a comida tá na mesa!
Mas, quando chuva, a luz também ficava preguiçosa e ia embora. Era quando a mãe enchia a casa de velas e tudo ficava melhor. Os trovões davam medo, mas a mãe tava lá e nada podia nos acontecer.
O telhado mostrava sua gastidão. Aquele monte de buraco fazia a casa ficar toda ornamentada. Era um tal de balde aqui, bacia ali...
Quando chuva até o almoço ficava mais gostoso. Aquele cheirinho de terra molhada acariciava a pouca carne da penela. Mas não tinha problema, no fundo no fundo, a gente queria mesmo era o momento.
Éramos nós três. Eu, o irmão menor e a mãe.
Quando chuva depois do almoço a gente dor…