Pular para o conteúdo principal

A origem do mundo

Hoje eu acordei, como de costume, reelaborando na cabeça as tarefas do dia. Pensei, pensei... faço isso ou aquilo? primeiro esse ou aquele lá? Nenhuma coisa nem outra. Optei por retomar um velho e obrigatório dever.
E estava lá, paginas e páginas se passaram. Ao meu lado, uma caneca de café como companhia... e eis que reencontro o Galeano num texto que eu escrevi meses atrás. Me perdoem, caro(a)s frequentadore(a)s deste blog, se pareço repetitiva. Infelizmente, temo dizer que serei assim mesmo! Este autor hidrata minhas veias.
Mas agora é por um motivo diferente, tomarei suas palavras para homenagear duas grandes amigas. Não que as outras não o mereçam, nada disso. Mas, por hora, quero mesmo é direcionar essas poucas palavras a essas pessoinhas que de forma peculiar colorem meus dias.
Uma delas, a prossôra, é uma pentelhinha de marca maior! Mas uma criaturinha cheia de virtudes, sabida que só ela, vai longe... Além disso, uma amiga sempre presente. Aprendi e aprendo a cada dia.
A outra, uma futura prossôra e uma cantadeira (como ela mesma diz) ímpar. Uma menina gente fina, esforço "mode on". É exemplo a ser seguido.
Não estranhem essa rasgação de seda. Não estou fazendo a média para um presente natalino, nem coisa parecida (embora, ganhar um livro não seja nada mau!), apenas socializando o orgulho que nutro por dividir minha vida com essas belas mulheres.

(...)

Para romper com a frieza e indiferença do cotidiano, opto por ser diferente!
Enfim, para terminar, segue um belo texto do Galeano.



A origem do mundo
A guerra civil da Espanha tinha terminado fazia poucos anos, e a cruz e a espada reinavam sobre as ruínas da República. Um dos vencidos, um operário anarquista, recém-saído da cadeia, procurava trabalho. Virava céu e terra, em vão. Não havia trabalho para um comuna. Todo mundo fechava a cara, sacudia os ombros ou virava as costas. Não se entendia com ninguém, ninguém o escutava. O vinho era o único amigo que sobrava. Pelas noites, na frente dos pratos vazios, suportava sem dizer nada as queixas de sua esposa beata, mulher de missa diária, enquanto o filho, um menino pequeno, recitava o catecismo para ele ouvir.
Muito tempo depois, Josep Verdura, o filho daquele operário maldito, me contou. Contou em Barcelona, quando cheguei do exílio. Contou: ele era um menino desesperado que queria salvar o pai da condenação eterna e aquele ateu, aquele teimoso, não entendia.
- Mas papai - disse Josep, chorando - se Deus não existe, quem fez o mundo?
- Bobo. Quem fez o mundo fomos nós, os pedreiros.

(Eduardo Galeano. O livro dos abraços)





Bom dia, minhas caras!!!! Amooooooooo...

Comentários

  1. Q bela homenagem :'( a molenga aq ta de olhos marejados!!
    Dependendo de mim usarei todas as cores do mundo pra colorir seu dia, Roseta!

    Um grande bjo!



    A ouvir: diariamente ♫

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Memória, a paga do tempo

- Eu rasgaria o tempo assim pudesse!
- O tempo não, a lembrança dos que dele lembram.

(...)

Vejo uma rua.
Sessenta e quatro ladrilhos a me apontar que o esgoto ainda fede.

(...)

Baco treme em risos e avisa a Zeus que a composição desta estória está vermelha de seus melhores vinhos.

(...)

Direcionam ao meu front canalhices de toda ordem. E até me fazem crer que a minha história anda atordoada, esquizofrênica.

(...)

E lhes respondo: Sim. Na minha esquizofrenia, ouço vozes de um passado expurgado com sangue, silêncio e dor.

(...)

E a minha história, meu caro, agora acende um cigarro, respira fundo e espera as cortinas se abrirem para o espetáculo recomeçar!



Guerras

Estou agora numa leitura.
Sobre um tempo de guerras e de pessoas costurando dignidades.
Estou agora absorta em mim. O livro já está sobre o colchão e eu em ti.
Não é possível, disse-me o tempo. É urgente, disse-me a memória.
Ela vagou sobre mim. Abriu uma trincheira insólita.

Vejo meu corpo deitado. Estou molhada da lama. E olho para o céu.
Uma vontade dilacerante de te contar por onde andei esses anos.
A razão me pune. Diz pra eu ficar muda e intacta.
A lama continua a umedecer minhas costas e cabelos.
E eu agora só queria te contar cada página desse livro, como nos velhos tempos.
A razão me chama tola. Me deixa de castigo, ali.. com o corpo úmido de lama.
Então me viro. Puxo o lençol e fecho os olhos.
Outro bombardeio.

"Todo amor que houver nessa vida"

Este texto não é para você, leitor algum, leitor qualquer. Também não o é para aquele que o acha que é: alguma coisa, alguma crítica. Aqui cabe muito mais.

São palavras retorcidas de minhas entranhas que só buscam nascer. Mas eu me estremeço, me torço, me encolho. Finjo que durmo. É mais fácil. E na calada da noite uma dor muito forte me toma. Chamo o médico. Ele não vem. O parto é inesperado.  E, por entre as últimas fagulhas da penumbra, eis que me deparo com um leito molhado, suado, de lençóis manchados. Pois é, elas saíram. Não têm meus olhos, nem meu torto nariz. Entretanto, não fogem ao seu destino de joelho. Como todas as outras: berram, exigem atenção e comida. Também, como todas as outras, me enebriam com o cheiro particular, com o macio da pele, com a tranquilidade do melhor dos sonos. E, quando parecem minhas, lançam-se a  fazer companhia a um outro qualquer.