Pular para o conteúdo principal

O dobro de tudo


Certeza ela não tinha (mas e quem tem mesmo?)
Da larga fresta que transpassava seu coração, vários tinham sido os que nele repousaram.
Mas, era uma noite chuvosa... e agora, como seria?
Restava o barulho das gotas a tocar o velho telhado, o cheiro da areia recém molhada e a xícara de café  sobre a mesa, ainda na espera.
 Mas ele não chegou, e nem o faria por um longo tempo... a largura dos dias se apresentava cada vez mais presente.



Os P   I   N   G   O   S podem ser percebidos mais calmos, a travessura tinha ficado na noite anterior
Agora era a vez dele, o sol.
De belos e ofuscantes amarelos, se exibia a todos os dispostos à brevidade ou não, 
aos insones que bebiam a noite aos goles e vomitavam no dia os sentimentos que ainda suavam na mente.



Ela abre os olhos, solta um sorriso gargalhado e olha ao seu lado.
A cama continua a mesma: quatro pés envoltos numa vontade nada cálida de pisar a vida, só pra exibir os calos que valem à pena.
É, foi um sonho. Ela percebeu.
Desses que só aumenta o desejo do toque, do sabor, do cheiro.


E tudo permanecia intocável: o dobro de tudo
... corações, pernas, pés, sofrimentos, aconchego, TROCA... (ainda que

                                                                           ToRtA, TOCA)

Ela olha o relógio, ainda cabem os costumeiros 10 minutos a enganar a história.
Outro sorriso, um (e)nlace seguro e o melhor dos sonos.

Comentários

  1. e eu que achava que não podia mais me surpreender. o que vc anda lendo hein? bom texto.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Memória, a paga do tempo

- Eu rasgaria o tempo assim pudesse!
- O tempo não, a lembrança dos que dele lembram.

(...)

Vejo uma rua.
Sessenta e quatro ladrilhos a me apontar que o esgoto ainda fede.

(...)

Baco treme em risos e avisa a Zeus que a composição desta estória está vermelha de seus melhores vinhos.

(...)

Direcionam ao meu front canalhices de toda ordem. E até me fazem crer que a minha história anda atordoada, esquizofrênica.

(...)

E lhes respondo: Sim. Na minha esquizofrenia, ouço vozes de um passado expurgado com sangue, silêncio e dor.

(...)

E a minha história, meu caro, agora acende um cigarro, respira fundo e espera as cortinas se abrirem para o espetáculo recomeçar!



ID essência

Água. Chaleira. Café.
Ebulição.  Camomila. Água. Chá. Transição. Sampa. Sopro. Pulmão. Poluição. Catavento. Ar. Criança. Distração. Corpo.Velhice. Morte. Evaporação. Casa. Imagem. Memória. Talhação. Caderno. Palavras. Tempo. Deglutição. Pés. Mar. Felicidade. Coração.


Quando chuva

Quando chuva eu era criança. A gente saía da escola correndo e chegava em casa parecendo pintinhos.
A mãe nos dizia, tira essa roupa molhada que é pra não adoecer!
Quando chuva a gente obedecia melhor a mãe porque tudo ficava mais lento e dava até vontade de obedecer. Aquele friozinho esquentava ainda mais o coração.
Quando chuva ela gritava da cozinha, venham comer, a comida tá na mesa!
Mas, quando chuva, a luz também ficava preguiçosa e ia embora. Era quando a mãe enchia a casa de velas e tudo ficava melhor. Os trovões davam medo, mas a mãe tava lá e nada podia nos acontecer.
O telhado mostrava sua gastidão. Aquele monte de buraco fazia a casa ficar toda ornamentada. Era um tal de balde aqui, bacia ali...
Quando chuva até o almoço ficava mais gostoso. Aquele cheirinho de terra molhada acariciava a pouca carne da penela. Mas não tinha problema, no fundo no fundo, a gente queria mesmo era o momento.
Éramos nós três. Eu, o irmão menor e a mãe.
Quando chuva depois do almoço a gente dor…