Pular para o conteúdo principal

O dobro de tudo


Certeza ela não tinha (mas e quem tem mesmo?)
Da larga fresta que transpassava seu coração, vários tinham sido os que nele repousaram.
Mas, era uma noite chuvosa... e agora, como seria?
Restava o barulho das gotas a tocar o velho telhado, o cheiro da areia recém molhada e a xícara de café  sobre a mesa, ainda na espera.
 Mas ele não chegou, e nem o faria por um longo tempo... a largura dos dias se apresentava cada vez mais presente.



Os P   I   N   G   O   S podem ser percebidos mais calmos, a travessura tinha ficado na noite anterior
Agora era a vez dele, o sol.
De belos e ofuscantes amarelos, se exibia a todos os dispostos à brevidade ou não, 
aos insones que bebiam a noite aos goles e vomitavam no dia os sentimentos que ainda suavam na mente.



Ela abre os olhos, solta um sorriso gargalhado e olha ao seu lado.
A cama continua a mesma: quatro pés envoltos numa vontade nada cálida de pisar a vida, só pra exibir os calos que valem à pena.
É, foi um sonho. Ela percebeu.
Desses que só aumenta o desejo do toque, do sabor, do cheiro.


E tudo permanecia intocável: o dobro de tudo
... corações, pernas, pés, sofrimentos, aconchego, TROCA... (ainda que ToRtA, TOCA)

Ela olha o relógio, ainda cabem os costumeiros 10 minutos a enganar a história.
Outro sorriso, um (e)nlace seguro e o melhor dos sonos.


Por Natália Freitas

Comentários

  1. e eu que achava que não podia mais me surpreender. o que vc anda lendo hein? bom texto.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Memória, a paga do tempo

- Eu rasgaria o tempo assim pudesse!
- O tempo não, a lembrança dos que dele lembram.

(...)

Vejo uma rua.
Sessenta e quatro ladrilhos a me apontar que o esgoto ainda fede.

(...)

Baco treme em risos e avisa a Zeus que a composição desta estória está vermelha de seus melhores vinhos.

(...)

Direcionam ao meu front canalhices de toda ordem. E até me fazem crer que a minha história anda atordoada, esquizofrênica.

(...)

E lhes respondo: Sim. Na minha esquizofrenia, ouço vozes de um passado expurgado com sangue, silêncio e dor.

(...)

E a minha história, meu caro, agora acende um cigarro, respira fundo e espera as cortinas se abrirem para o espetáculo recomeçar!


Por Natália Freitas



Cabrita solta

Há tantas elas em mim Negras há Indígenas também Há tantas elas em mim Amasiadas Largadas Amadoras Rasgadas Sabedoras Há tantas elas em mim E por todo lugar que passo Uma delas tá ali Em dia de sol danado Solta o aço dos dentes Há tantas elas em mim Passeia molhada e descalça De ventre esguio e cabelos maremotos Há tantas elas em mim Saiu sozinha na madrugada Quebrou regras, vielas Ergueu o copo limpo questionável Brindou à morte, aos orixás, à vida Kalunga Há tantas elas em mim E não há nenhuma Que detenha Explique Defina Nesse mundo todo Quem delas mais assobia: Muié, eu to aqui


Por Natália Freitas

Um risco

há um encanto em suas linhas
um punho que apruma e ruma ao novo
giro e mais giro. e outro giro. tu te mostras
extrapola os teus círculos. posso sentir
caligrafia obedecida
voz empostada
sobraram as brechas
preenchidas pelas deformidades
avulsas
incoerentes
tangentes
de um mesmo caminho solitário
que une a todas nós
somos letra pra fazer poema
somos alfabeto pra fazer revolução

Por Natália Freitas