Pular para o conteúdo principal

Entre palavras


Era fim de tarde quando duas palavras se encontraram num parque. O acaso as levara ali. 
Tudo parecia muito bem. Muitas crianças se faziam presentes. Brincavam de um tudo e desatavam a chorar toda vez que uma mãe aparecia para acabar com a festa. O dia também fazia sua parte, estava bonito que só ele.
O encontro das palavras foi muito mais um esbarrão. Uma delas caminhava pelo parque como se buscasse algo. Mas o que era, nem ela sabia. A outra palavra avistara a amiga de longe e, primorosa que estava, correu para tecer o cumprimento. 
Falou-lhe do quanto havia viajado desde a última vez que se viram. Disse que fora personagem principal de um grande romance; que dera rima a um dantesco poema; que fizera isso e aquilo...
Contou à palavra 1 dos tantos projetos que a tomariam nos próximos meses. E falou tanto que nem se apercebeu que as suas palavras fizeram eco no imenso vazio que tomava o peito de sua amiga.
E não parou por um segundo sequer. Afinal, havia tanto tempo que não se viam, era normal. Pensava.
Seguiram-se horas e horas e a palavra 2 não fechava a matraca. E a palavra 1, receosa de parecer mal educada, só ouvia (ou ao menos tentava). 
Quando finalmente deu uma trégua, palavra 2 inflou os pulmões e passou a bola, melhor dizendo, as palavras para a outra. 
- E ai, menina. Agora é a sua vez. Conta um pouco o que andou fazendo por essa literatura de meu deus.
- Bem, como posso dizer? ... trabalhei nos bastidores.
- Humm, já sei. Andou nas margens de alguma história sem graça. Acertei? Perguntou palavra 2.

Palavra 1 coçou a cabeça, fincou o olhar em algum ponto fixo qualquer e disse:
- Estive em várias. Da alegre à vigarista, passando pela ácida. Na sem graça tambem me fiz presente. Mas sabe, ainda que em todas essas, eu nunca estava.

- Calminha, você bebeu? sim, porque isso só não é filosofia, é?! Resmungou a palavra atriz.
- Não sei. Devolveu palavra 1 sem erguer os olhos.

O jogo havia cansado a palavra 2, que de tanto se irritar com as evazivas da amiga, despediu-se e partiu.
Foi então que palavra 1 agachou-se próximo a uma árvore e continuou lá por horas.
Sem se dar conta, penetrou no mais íntimo de seus pensamentos.
E a memória revirou-lhe o mais fundo que podia. Nesse momento, a palavra 1 se deu conta do tanto que havia sido requisitada. 
Assim foi quando aquela moça perdera o menino que amava tanto mas que nunca lhe dissera.
Foi também com dona Genalva quando perdeu o marido depois de longos 50 anos de casados. Assim também o foi para Renato, pois nunca tivera forças para dizer ao seu pai o quanto o amava.
E assim havia sido para centenas de pessoas que por um motivo ou outro seguraram no fundo das entranhas as palavras mais importantes e também mais difíceis de dizer.
Palavra 1 se deu conta de que em todos esses momentos era ela que estava na ponta da língua de um alguém. E que, protagonista ou não, ela terminava sempre retornando guela abaixo.
Concluiu então que nunca fora amiga da boca, mas sim do coração e do estômago.
Mas isso palavra 2 nunca entenderia. Ninguém nunca entenderia ... 
isso porque as palavras foram feitas para brilhar.



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Memória, a paga do tempo

- Eu rasgaria o tempo assim pudesse!
- O tempo não, a lembrança dos que dele lembram.

(...)

Vejo uma rua.
Sessenta e quatro ladrilhos a me apontar que o esgoto ainda fede.

(...)

Baco treme em risos e avisa a Zeus que a composição desta estória está vermelha de seus melhores vinhos.

(...)

Direcionam ao meu front canalhices de toda ordem. E até me fazem crer que a minha história anda atordoada, esquizofrênica.

(...)

E lhes respondo: Sim. Na minha esquizofrenia, ouço vozes de um passado expurgado com sangue, silêncio e dor.

(...)

E a minha história, meu caro, agora acende um cigarro, respira fundo e espera as cortinas se abrirem para o espetáculo recomeçar!



Guerras

Estou agora numa leitura.
Sobre um tempo de guerras e de pessoas costurando dignidades.
Estou agora absorta em mim. O livro já está sobre o colchão e eu em ti.
Não é possível, disse-me o tempo. É urgente, disse-me a memória.
Ela vagou sobre mim. Abriu uma trincheira insólita.

Vejo meu corpo deitado. Estou molhada da lama. E olho para o céu.
Uma vontade dilacerante de te contar por onde andei esses anos.
A razão me pune. Diz pra eu ficar muda e intacta.
A lama continua a umedecer minhas costas e cabelos.
E eu agora só queria te contar cada página desse livro, como nos velhos tempos.
A razão me chama tola. Me deixa de castigo, ali.. com o corpo úmido de lama.
Então me viro. Puxo o lençol e fecho os olhos.
Outro bombardeio.

"Todo amor que houver nessa vida"

Este texto não é para você, leitor algum, leitor qualquer. Também não o é para aquele que o acha que é: alguma coisa, alguma crítica. Aqui cabe muito mais.

São palavras retorcidas de minhas entranhas que só buscam nascer. Mas eu me estremeço, me torço, me encolho. Finjo que durmo. É mais fácil. E na calada da noite uma dor muito forte me toma. Chamo o médico. Ele não vem. O parto é inesperado.  E, por entre as últimas fagulhas da penumbra, eis que me deparo com um leito molhado, suado, de lençóis manchados. Pois é, elas saíram. Não têm meus olhos, nem meu torto nariz. Entretanto, não fogem ao seu destino de joelho. Como todas as outras: berram, exigem atenção e comida. Também, como todas as outras, me enebriam com o cheiro particular, com o macio da pele, com a tranquilidade do melhor dos sonos. E, quando parecem minhas, lançam-se a  fazer companhia a um outro qualquer.