Pular para o conteúdo principal

Monólogo de um grito que não foi

Esta história não pertence a ninguém. Nem mesmo ao tempo.
Peço-lhes licença, apenas a tomarei de empréstimo.
Mas não eu um corpo. E sim eu, uma vaga.

Sim, uma vaga. Porque o dia raiou, mas no meu peito mora uma noite eterna.

Olho as pessoas no trânsito. A (a)normalidade é sorrateira. Apregoa na vida de uns tantos homens
e mulheres um cenário de ansiedade, reuniões infindáveis, contratos a fechar, mentiras a contar.
Não há susto nisso. Não há.
O que existe é a falta. Mas, de tanto faltar, a mim também foge.
Volto para casa. E o concreto do chão que piso é vagabundo. Ele não assegura o mundo sobre meus pés.
No espelho do banheiro um sinal de pressa. Respingos de pasta de dente...
- Um momento. Pensei numa coisa agora: por que nunca tive um jardim? Putz, a essa hora e eu pensando em porra de jardim.
- Ei, só mais uma coisa: já te passou pela cabeça que essa tua vida pode estar vencida? É, com prazo de validade expirado. 
De novo, não sei porque raios isso me veio à cabeça. Deve ter sido o sol esquentando os miolos o dia todo. Não. Isso é culpa da maldita reciclagem subjetiva. Sim, porque depois de anos usando a mesma xícara, lendo o mesmo jornal e adaptada ao mesmo homem, se se mexe num caquinho sequer a vida (des)anda.  

Se digo que não, perguntam quando.
Se nego deliberadamente, me pedem calma.
Se somente ouço, me gozam com entrosamento irritante.

... Ah, como era mais fácil viver (ou seria passar?!).

O fato é que a vida não é uma peça em cartaz. Nela não cabem ensaios.
Isso é o que eu acho. 
Vocês podem até dizer que sim, eles cabem. Que não só cabem, como são o eixo da boa vivência.

(Mão no queixo. Testa franzida. Um trago.)

(...)

Sabe do que mais, à merda a boa vivência. 
De que adianta destreza de análise quando o que falta é a materialidade do existir?
Comigo a dor só passa sentindo a dor. Depois de tanto senti-la, adormeço e fico em paz.
- Não sei porque me olham assim. O Cristo de vocês sangrou, sofreu. E é venerado até hoje. Por que então tenho que usar ataduras e sorrir?

A vida deve ser muito mais. Até agora não o foi. É fato. Mas o bom de não ser peça ou filme é que não tem final. Nem infeliz, nem feliz. Só é vida.

Peço desculpas se a história não agradou.
Quem sabe amanhã eu os presenteie com uma historinha regada a algodão doce. 


Quem sabe... 









Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Memória, a paga do tempo

- Eu rasgaria o tempo assim pudesse!
- O tempo não, a lembrança dos que dele lembram.

(...)

Vejo uma rua.
Sessenta e quatro ladrilhos a me apontar que o esgoto ainda fede.

(...)

Baco treme em risos e avisa a Zeus que a composição desta estória está vermelha de seus melhores vinhos.

(...)

Direcionam ao meu front canalhices de toda ordem. E até me fazem crer que a minha história anda atordoada, esquizofrênica.

(...)

E lhes respondo: Sim. Na minha esquizofrenia, ouço vozes de um passado expurgado com sangue, silêncio e dor.

(...)

E a minha história, meu caro, agora acende um cigarro, respira fundo e espera as cortinas se abrirem para o espetáculo recomeçar!



Guerras

Estou agora numa leitura.
Sobre um tempo de guerras e de pessoas costurando dignidades.
Estou agora absorta em mim. O livro já está sobre o colchão e eu em ti.
Não é possível, disse-me o tempo. É urgente, disse-me a memória.
Ela vagou sobre mim. Abriu uma trincheira insólita.

Vejo meu corpo deitado. Estou molhada da lama. E olho para o céu.
Uma vontade dilacerante de te contar por onde andei esses anos.
A razão me pune. Diz pra eu ficar muda e intacta.
A lama continua a umedecer minhas costas e cabelos.
E eu agora só queria te contar cada página desse livro, como nos velhos tempos.
A razão me chama tola. Me deixa de castigo, ali.. com o corpo úmido de lama.
Então me viro. Puxo o lençol e fecho os olhos.
Outro bombardeio.

"Todo amor que houver nessa vida"

Este texto não é para você, leitor algum, leitor qualquer. Também não o é para aquele que o acha que é: alguma coisa, alguma crítica. Aqui cabe muito mais.

São palavras retorcidas de minhas entranhas que só buscam nascer. Mas eu me estremeço, me torço, me encolho. Finjo que durmo. É mais fácil. E na calada da noite uma dor muito forte me toma. Chamo o médico. Ele não vem. O parto é inesperado.  E, por entre as últimas fagulhas da penumbra, eis que me deparo com um leito molhado, suado, de lençóis manchados. Pois é, elas saíram. Não têm meus olhos, nem meu torto nariz. Entretanto, não fogem ao seu destino de joelho. Como todas as outras: berram, exigem atenção e comida. Também, como todas as outras, me enebriam com o cheiro particular, com o macio da pele, com a tranquilidade do melhor dos sonos. E, quando parecem minhas, lançam-se a  fazer companhia a um outro qualquer.