Pular para o conteúdo principal

Lastro da escrita

Cena do filme "Histórias que só existem quando lembradas"


Tic-tac. Tic-tac, avisam-nos os relógios todos os dias.
Ao invés disso, eles deveriam dizer: menos um, menos um, menos um.
Menos um de tudo. Do tempo que transpiramos. Da distância de coisas, pessoas e pensamentos.

(...)
Buzinas irritadas, transito infernal. Todos cheiram a formol.
Prédios são erguidos, enquanto outros teimam por desejar o chão.

(...)
Aparelhos eletrônicos nos dizem a hora de levantar, quanto comer, correr, beijar, amar...

(...)
Láááá longe. Em algum lugar dessa vastidão que é o mundo. Existe um eu. Eu que viveu e vive tentando se encaixar. Encontrar aquela casa de árvore feita de madeiras de demolição. Um lugar no mundo. Um estar no mundo e em si.
Estou agora sentada escrevendo e refletindo sobre o que li antes do almoço. Leituras que, espero eu, sirvam para alimentar minhas próximas linhas acadêmicas.
Mas eis que o velho incômodo bate à porta e resmunga:
- É isso que desejas? É isso que te define?

(...)
E sou obrigada a mais uma vez parar para pensar. Isso! Agora mesmo, enquanto escrevo à você.

(...)
Perguntas torpes? Não. Diria, indigestas. E me obrigam a filosofar por dentro da minha vulgar existência.
Paira sobre meus pensamentos uma nuvem e dela caem símbolos, categorias, padrões. São minutos olhando para o alto. Só vendo aquelas lógicas palavras, e lógicas, lógicas...

(...)
Acho que estou chegando ao final de tantos questionamentos de ordem individual. Concluo apenas que, embora me preparando para retornar à vida acadêmica, cada vez mais meu mundo é o das palavras, da inscrição de histórias de comuns, da tecitura de ideias. Mas ideias elaboradas pelo meu estar no mundo. Sem imposição ou regras.

(...)
Definitivamente, o meu estar no mundo é o estar do que sou quando escrevo.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Memória, a paga do tempo

- Eu rasgaria o tempo assim pudesse!
- O tempo não, a lembrança dos que dele lembram.

(...)

Vejo uma rua.
Sessenta e quatro ladrilhos a me apontar que o esgoto ainda fede.

(...)

Baco treme em risos e avisa a Zeus que a composição desta estória está vermelha de seus melhores vinhos.

(...)

Direcionam ao meu front canalhices de toda ordem. E até me fazem crer que a minha história anda atordoada, esquizofrênica.

(...)

E lhes respondo: Sim. Na minha esquizofrenia, ouço vozes de um passado expurgado com sangue, silêncio e dor.

(...)

E a minha história, meu caro, agora acende um cigarro, respira fundo e espera as cortinas se abrirem para o espetáculo recomeçar!



ID essência

Água. Chaleira. Café.
Ebulição.  Camomila. Água. Chá. Transição. Sampa. Sopro. Pulmão. Poluição. Catavento. Ar. Criança. Distração. Corpo.Velhice. Morte. Evaporação. Casa. Imagem. Memória. Talhação. Caderno. Palavras. Tempo. Deglutição. Pés. Mar. Felicidade. Coração.


Quando chuva

Quando chuva eu era criança. A gente saía da escola correndo e chegava em casa parecendo pintinhos.
A mãe nos dizia, tira essa roupa molhada que é pra não adoecer!
Quando chuva a gente obedecia melhor a mãe porque tudo ficava mais lento e dava até vontade de obedecer. Aquele friozinho esquentava ainda mais o coração.
Quando chuva ela gritava da cozinha, venham comer, a comida tá na mesa!
Mas, quando chuva, a luz também ficava preguiçosa e ia embora. Era quando a mãe enchia a casa de velas e tudo ficava melhor. Os trovões davam medo, mas a mãe tava lá e nada podia nos acontecer.
O telhado mostrava sua gastidão. Aquele monte de buraco fazia a casa ficar toda ornamentada. Era um tal de balde aqui, bacia ali...
Quando chuva até o almoço ficava mais gostoso. Aquele cheirinho de terra molhada acariciava a pouca carne da penela. Mas não tinha problema, no fundo no fundo, a gente queria mesmo era o momento.
Éramos nós três. Eu, o irmão menor e a mãe.
Quando chuva depois do almoço a gente dor…