Pular para o conteúdo principal

Folha que cai, resquícios de um tempo


Não adiantava.
Poderia tentar se segurar mais uma vez, mas não adiantava.
O vento soprava-lhe o peito com tanta força que ela percebera.
Era chegada a hora.
Nos seus anos de folha, todos haviam lhe contado que o fim seria esse. 
Um galho seco. Um elo desfeito. E um voo para o chão.
E lá se foi ela.
Bailando pra lá e pra cá.
Pra lá e pra cá...
Mas o que ninguém contara era o percurso.
Lá ia ela, uma folhinha atrevida tentando voar diferente, ainda que às folhas, em seu fim, só coubessem o aceite de cair, murchar, secar e sumir.
Por um instante ela jurara sentir que um lindo bailarino tomara-lhe os braços para uma última dança.
Aceitou sem pestanejar e lá se foi.
A plateia se fazia presente. O sol brilhava como nunca e olhá-lo ao cair era ainda mais ofuscante. Mais parecia que seus raios a abraçavam para proteger-lhe da futura queda.
Foi então que ela pois-se a relembrar.
Das brincadeiras com as outras folhinhas quando criança; Daqueles frutos pesados que mais pareciam quererem levá-las mais cedo ao chão.
E lembrara que as folhas adultas diziam que uma folha cai porque não mais trabalha com eficiência. Apresenta manchas e não embeleza.
Foi então que decidiu: 
- Cairei de pé. 
- Fui obrigada a filtrar o ar indigesto de Guerras, Ditaduras e Democracias descaradas.
- Ajudei a fazer sombra para desabrigados e casais apaixonados que por lá se encostavam.


E ela continuava a sentir sua queda, mais e mais. E via todos aqueles que a olhavam...
Fora fustigada por uma pergunta inquietante: o que sobra a uma sobra como ela?
(...)
(...)
Seu corpo só caííía. 
Pensa. Pensa. Pensa. Rápido!
Fechou os olhos. Agarrou o abraço do sol e aceitou aquela dança.
Faltavam-lhe poucos segundos. 
Já podia sentir o frio do chão.
Foi então que avistou uma senhorinha sentada no banco daquela antiga praça.
Ela lia um livro surrado. De folhas amareladas.
E elas se olharam.
(...)
Antes que a folhinha encontrasse a resposta, acabara repousando sobre o livro.
E como aquelas palavras lhe faziam bem...
(...)
A velhinha enxugou a folha.
Sentiu seu cheiro.
(...)
Já eram 17 horas.
Interrompeu a leitura de uma das centenas de cartas escritas pelo seu marido, morto há trinta anos.
E lá a folhinha ficou.
(...)
Sobrando àquelas duas velhas apenas um doce sentimento de amor.






Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Memória, a paga do tempo

- Eu rasgaria o tempo assim pudesse!
- O tempo não, a lembrança dos que dele lembram.

(...)

Vejo uma rua.
Sessenta e quatro ladrilhos a me apontar que o esgoto ainda fede.

(...)

Baco treme em risos e avisa a Zeus que a composição desta estória está vermelha de seus melhores vinhos.

(...)

Direcionam ao meu front canalhices de toda ordem. E até me fazem crer que a minha história anda atordoada, esquizofrênica.

(...)

E lhes respondo: Sim. Na minha esquizofrenia, ouço vozes de um passado expurgado com sangue, silêncio e dor.

(...)

E a minha história, meu caro, agora acende um cigarro, respira fundo e espera as cortinas se abrirem para o espetáculo recomeçar!



Guerras

Estou agora numa leitura.
Sobre um tempo de guerras e de pessoas costurando dignidades.
Estou agora absorta em mim. O livro já está sobre o colchão e eu em ti.
Não é possível, disse-me o tempo. É urgente, disse-me a memória.
Ela vagou sobre mim. Abriu uma trincheira insólita.

Vejo meu corpo deitado. Estou molhada da lama. E olho para o céu.
Uma vontade dilacerante de te contar por onde andei esses anos.
A razão me pune. Diz pra eu ficar muda e intacta.
A lama continua a umedecer minhas costas e cabelos.
E eu agora só queria te contar cada página desse livro, como nos velhos tempos.
A razão me chama tola. Me deixa de castigo, ali.. com o corpo úmido de lama.
Então me viro. Puxo o lençol e fecho os olhos.
Outro bombardeio.

"Todo amor que houver nessa vida"

Este texto não é para você, leitor algum, leitor qualquer. Também não o é para aquele que o acha que é: alguma coisa, alguma crítica. Aqui cabe muito mais.

São palavras retorcidas de minhas entranhas que só buscam nascer. Mas eu me estremeço, me torço, me encolho. Finjo que durmo. É mais fácil. E na calada da noite uma dor muito forte me toma. Chamo o médico. Ele não vem. O parto é inesperado.  E, por entre as últimas fagulhas da penumbra, eis que me deparo com um leito molhado, suado, de lençóis manchados. Pois é, elas saíram. Não têm meus olhos, nem meu torto nariz. Entretanto, não fogem ao seu destino de joelho. Como todas as outras: berram, exigem atenção e comida. Também, como todas as outras, me enebriam com o cheiro particular, com o macio da pele, com a tranquilidade do melhor dos sonos. E, quando parecem minhas, lançam-se a  fazer companhia a um outro qualquer.