Em relevo

Calma sensação perturbadora de paz.

Faria sentido pra ela? Pensara só por uns instantes.
Os olhos mal abriram e aquilo lá nela.

Vinha a se preparar para a guerra.
Para os dias estranhos que teimavam em permanecer.
Para o caos ordenado.
Para aquela música de um Ipiranga nada plácido.

Mas não para a paz.

Dela até enternecia pensar. Só que não vinha.
Suava.
Custava.
E não vinha.

Havia corrido tanto do ódio que desaprendera sobre amor.
Era possível?
Só agora, abrindo os olhos, percebera.
Que também ela estava em bombardeios.
As costas lhe pesavam a rotina do (des)padrão.

Continuava aguerrida. Ela sabia.
Mas lhe doía buscar todo dia o colorido no cinza.
Esgotado estava seu corpo.
E do espírito não tinha certeza se ainda lhe havia.

Mas era soldada. Repetia todo dia.
Sua mãe foi.
Outras também.

E um NÃO rejeitava o tudo posto.
NÃO.
NÃO podia ser esse seu destino.
Nem o das outras.

Afinal, Deus, elas eram força. Sabiam.
Mas não queriam.

O corpo novamente lembrava daquele peso.

Que ela não sabia de onde vinha.
Ou quando havia começado.
E qual delas levantara o primeiro saco nas costas?

Sabia do peso.
De sentir o peso.

E até pensara um dia.

A paz deve ser boa.
Ela deve dar vontade de chocolate.
De sentir o sol. O mar.
De aninhar. Ninar.

O tempo pra isso não veio.
Lembra? era soldada.
Carregava peso.

Quilos de pedra.
Ou de esperança.
Pouco importava.
Nesses tempos, carregar esperança também doía.

Fez isso tudo e voltou.
Permitiu-se sentir aquilo que lhe era estranho.
Paz?

Soou-lhe como uma estranha sensação de eu posso.
E parecia ouvir vozes.
E eram.
Das outras.
Que continuam a lhe empuxar.

Por Natália Freitas

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Obedeça

Los treinta y seis colores de una vida