Pular para o conteúdo principal

De passo a passo segue meu coração


Mais um dia de trabalho acabava para mim. O corpo latejava, embora não mais que a mente.
E eu caminhava, olhando menos os meus e muito mais os passos alheios.
Um sinal verde, pessoas à espera de um vermelho para caminhar. Movimentos repetitivos.
Todos nós sabíamos o que devíamos fazer!
Chegaríamos todos em casa, jogaríamos nossas coisas sobre a cama e, logo em seguida, um banho lavaria o que dava para ser salvo.
Uma pena não ser sempre assim?
Digo avidamente que sim e não.
Do tanto que já nos tiraram e ainda o fazem, uma teimosia vai perdurar em mim, como que óleo grudado ao corpo: o vício de ver/viver o outro.
...
Uma longa espera e eis que meu ônibus chegava. Como de costume, percebia os olhares perdidos, cansados, apaixonados, irritados, idiotas...
Percebia também o que não dava pra deixar passar, a chuva. Esta, ruivava lá fora e punha medo aos que precisavam manter um cabelo bonito, uma roupa nova ou mesmo o corpo longe de um belo resfriado. O fato é que a tal chuva, propositalmente ou não, provocara um balanço anômalo nas pessoas. Somada a uma noite de extrema formosura peculiar, senhora chuva ofertava-lhes um forçoso dançar sobre as calçadas e ruas. Era mesmo um bailado beirando o desconserto. Senhorinhas e belas moças não a recebiam com boa acolhida, era fato.
E lá pelas tantas da viagem fui interrompida por duas crianças inoportunas. Sim, elas teimavam em gostar daquilo. Como podia? Era chuva. Ninguém, exceto eu, poderia gostar mais da dona chuva. Eu não aceitava aquela situação. Me soou tremenda afronta.
Mas aí eles mostraram a que vieram e com as pontinhas dos dedos começaram a desenhar os vidros que a esta hora já estavam embaçados. Dali surgira uma casinha, um nome gustavo e um círculo dentro de outro e mais outro.
Foi o bastante para a minha fúria. Quem suporta a petulância de dois serezimos bebendo a chuva aos goles?! Eles não sabiam com quem estavam se metendo. Chegava o momento de eu descer, agora era minha vez de dar-lhes o troco.
Uns poucos minutos depois de descer eu olhava para o céu. Ele sorria para mim e a dona chuva só me sacaneava (mas eu bem que estava gostando).
Ao contrário dos que se encolhiam, se esgueiravam em busca de refúgio, eu me joguei nela.
E como tava bom...
O corpo suspirava e transpirava liberdade. A estranha provocava olhares de surpresa por onde passava. E daí?!
No final, eu me aproximava de casa; ela já se despedia e eles - aqueles pirralhos lindos - nos aproveitamos muito bem!





*Ainda que a anomalia social busque romper o belo, ainda que pessoas justifiquem barbaridades com o injustificável, ainda sim existirá a vivacidade dos que pouco viveram e nem por isso são menos conhecedores da arte de viver.
Luto pelo simples, pelo ardor de poder sentir!

Comentários

  1. pow, sou super fã dos seus escritos, brother!

    ResponderExcluir
  2. foi rossana quem escreveu o post acima. é mó difícil postar comment aqui, velho

    ResponderExcluir
  3. Às vezes, sou gotas pra lhe fazer carinho depois de mais um dia de trabalho. Zeca.

    ResponderExcluir
  4. este soou o mais poético de todos. isso não pode ser apenas um texto. isso é uma fotografia, um filme, um documentário, uma pintura, ou qualquer coisa que conseguiu capturar a beleza. eita porra! babei no teclado do PC. brincadeira. muito bom.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Memória, a paga do tempo

- Eu rasgaria o tempo assim pudesse!
- O tempo não, a lembrança dos que dele lembram.

(...)

Vejo uma rua.
Sessenta e quatro ladrilhos a me apontar que o esgoto ainda fede.

(...)

Baco treme em risos e avisa a Zeus que a composição desta estória está vermelha de seus melhores vinhos.

(...)

Direcionam ao meu front canalhices de toda ordem. E até me fazem crer que a minha história anda atordoada, esquizofrênica.

(...)

E lhes respondo: Sim. Na minha esquizofrenia, ouço vozes de um passado expurgado com sangue, silêncio e dor.

(...)

E a minha história, meu caro, agora acende um cigarro, respira fundo e espera as cortinas se abrirem para o espetáculo recomeçar!



Guerras

Estou agora numa leitura.
Sobre um tempo de guerras e de pessoas costurando dignidades.
Estou agora absorta em mim. O livro já está sobre o colchão e eu em ti.
Não é possível, disse-me o tempo. É urgente, disse-me a memória.
Ela vagou sobre mim. Abriu uma trincheira insólita.

Vejo meu corpo deitado. Estou molhada da lama. E olho para o céu.
Uma vontade dilacerante de te contar por onde andei esses anos.
A razão me pune. Diz pra eu ficar muda e intacta.
A lama continua a umedecer minhas costas e cabelos.
E eu agora só queria te contar cada página desse livro, como nos velhos tempos.
A razão me chama tola. Me deixa de castigo, ali.. com o corpo úmido de lama.
Então me viro. Puxo o lençol e fecho os olhos.
Outro bombardeio.

"Todo amor que houver nessa vida"

Este texto não é para você, leitor algum, leitor qualquer. Também não o é para aquele que o acha que é: alguma coisa, alguma crítica. Aqui cabe muito mais.

São palavras retorcidas de minhas entranhas que só buscam nascer. Mas eu me estremeço, me torço, me encolho. Finjo que durmo. É mais fácil. E na calada da noite uma dor muito forte me toma. Chamo o médico. Ele não vem. O parto é inesperado.  E, por entre as últimas fagulhas da penumbra, eis que me deparo com um leito molhado, suado, de lençóis manchados. Pois é, elas saíram. Não têm meus olhos, nem meu torto nariz. Entretanto, não fogem ao seu destino de joelho. Como todas as outras: berram, exigem atenção e comida. Também, como todas as outras, me enebriam com o cheiro particular, com o macio da pele, com a tranquilidade do melhor dos sonos. E, quando parecem minhas, lançam-se a  fazer companhia a um outro qualquer.