Pular para o conteúdo principal

Peregrinos de Passárgada


Abriu os olhos, tentou esticar os braços no máximo que seu peregrino corpo lhe permitisse só para beber mais uma manhã angélica. O sol lhe ardia nas juntas. Os pássaros lhe zombavam por sobre um canto tão bem ensaiado. No chão, o velho e companheiro chinelo ao molde alpargatas estava, como de costume, a postos esperando a ordem do dono para trepidar naquele andar que não mais invejava a mais lerda das lesmas escorregadias. 

Milhares de quilômetros distantes do seu leito o separavam dela. Nunca se viram e ao menos sentiram o cheiro um do outro. A brisa não os presenteou com a valsa porosa e galanteadora dos que amam. Nunca trocaram cartas dóceis e outras nem tanto assim. Nunca tiveram um filho, sequer, e a esse não puderam chamar de Amarantes. As dívidas hipotecárias nunca foram um comum; também não se embriagaram com os gozos consecutivos, daqueles que só têm os que permitem o furdunço dos lençóis revirados e molhados de suor somados aos vapores saídos das bocas, tarefa para bons vadios. 

E, ainda sim, a senhorinha Anita também repetia os mesmos movimentos matutinos do cascudo seu Juca.

Assim como ele, costumava tomar um breve café com torradas e queijo. Não ultrapassando às 7h da matina, pois ficar mais tarde no ócio era insulto. 

Aos dois ocorria mais uma semelhança, brigavam com as horas por pura teimosia de andarem pra frente. Cada um ao seu modo, ambos reviravam na memória o que dela ainda não fora retirado pelo tempo. E sobravam-lhes boas e más lembranças. Do tempo em que se fazia guerra com o argumento de que era pra guerrear e não civilizar. Do tempo em que dona Anita e seu Juca passavam anos nutrindo amor e celibato a um certo outr@ que só se via por cartas fugidias.

Tempo bom era aquele, pensam os dois. Tempo em que as tardes eram mais alaranjadas e os doces das frutas caídas no quintal apeteciam o corpo e o espírito. Tempo em que se fazer significar por simples dança de mil regras de obediência transformava os impeditivos em meros toscos aos amores que eram mais amores.

E, assim como nasceu, o sol se despedia em mais um dia comum. Muito menos comum o era, no entanto, para esses dois teimosos, que mais um dia se rebelaram à morte em vida. 

Isso, apenas pela teimosia de lembrar e a querer fazê-lo, porque aprenderam que só assim continuarão rasurando a lista dos que têm que estrear no céu.

Comentários

  1. Bárbara Zeferino29 de junho de 2011 11:27

    Nossa tão intenso quanto o tempo dos dois personagens. Parabéns.

    ResponderExcluir
  2. Bárbara Zeferino29 de junho de 2011 11:29

    Tão belo quanto a fotografia.

    ResponderExcluir
  3. era pra ser poesia. mas por insistência da vida ficou prosa. um dedo de prosa do tempo, fragmento de hora, instante de beleza em centenas de bytes.

    ResponderExcluir
  4. Intenso descreve bem o que li.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Memória, a paga do tempo

- Eu rasgaria o tempo assim pudesse!
- O tempo não, a lembrança dos que dele lembram.

(...)

Vejo uma rua.
Sessenta e quatro ladrilhos a me apontar que o esgoto ainda fede.

(...)

Baco treme em risos e avisa a Zeus que a composição desta estória está vermelha de seus melhores vinhos.

(...)

Direcionam ao meu front canalhices de toda ordem. E até me fazem crer que a minha história anda atordoada, esquizofrênica.

(...)

E lhes respondo: Sim. Na minha esquizofrenia, ouço vozes de um passado expurgado com sangue, silêncio e dor.

(...)

E a minha história, meu caro, agora acende um cigarro, respira fundo e espera as cortinas se abrirem para o espetáculo recomeçar!



ID essência

Água. Chaleira. Café.
Ebulição.  Camomila. Água. Chá. Transição. Sampa. Sopro. Pulmão. Poluição. Catavento. Ar. Criança. Distração. Corpo.Velhice. Morte. Evaporação. Casa. Imagem. Memória. Talhação. Caderno. Palavras. Tempo. Deglutição. Pés. Mar. Felicidade. Coração.


Quando chuva

Quando chuva eu era criança. A gente saía da escola correndo e chegava em casa parecendo pintinhos.
A mãe nos dizia, tira essa roupa molhada que é pra não adoecer!
Quando chuva a gente obedecia melhor a mãe porque tudo ficava mais lento e dava até vontade de obedecer. Aquele friozinho esquentava ainda mais o coração.
Quando chuva ela gritava da cozinha, venham comer, a comida tá na mesa!
Mas, quando chuva, a luz também ficava preguiçosa e ia embora. Era quando a mãe enchia a casa de velas e tudo ficava melhor. Os trovões davam medo, mas a mãe tava lá e nada podia nos acontecer.
O telhado mostrava sua gastidão. Aquele monte de buraco fazia a casa ficar toda ornamentada. Era um tal de balde aqui, bacia ali...
Quando chuva até o almoço ficava mais gostoso. Aquele cheirinho de terra molhada acariciava a pouca carne da penela. Mas não tinha problema, no fundo no fundo, a gente queria mesmo era o momento.
Éramos nós três. Eu, o irmão menor e a mãe.
Quando chuva depois do almoço a gente dor…