Pular para o conteúdo principal

Postagens

Obedeça

Vá embora se não conseguir lidar com minha chatice
E meus cabelos inequivocamente lindos
Se não souber me abraçar quando eu tentar fazer de você meu ninho
Vá se não entender minha fúria nos dias turvos
Se não conseguir ler a mim, poesia dadaista
Bata a porta se eu continuar sendo mais do que você suporta

Mude de calçada quando me vir e suas mãos anunciarem seu permanente amor
Desligue seu celular. Ele também sabe pra quem você quer ligar
Jogue fora aquela carta que não te escrevi. Você não a entenderia
Me arranque dos seus sonhos se puder
E esqueça que seu melhor sorriso já fui eu

Não levante hoje buscando meu rosto preguiçoso
Engana-se! Seu lugar nunca foi dentro de mim
Abandone o desejo daquele filme que veríamos esse sábado
Fique sem graça quando nossos amigos te disserem "vacilão"
Porque é precisamente isso!

Eu daqui farei o mesmo
Já troquei os lençóis e aquela almofada sua de lugar
A nova playlist. O novo lugar na cama
E sabe sua camisa preferida? O cachorro mijou
O so…
Postagens recentes

Língua

Mulher, substantivo que bem poderia ser verbo.
Ou advérbio de intensidade. Para ambos, mulher seria signo para dizer sobre aquilo que é vívido, nobre, intenso, exemplo, voraz, doce, sábio, belo. Mulher movimento, mulher ação. Qualidade de ser mulher.
"Mulheriei o dia e ele me mulheriou de volta" "Estudei mulhermente hoje" "Mulheriaram Paris num só gole "
Na próxima reforma linguística, irei pessoalmente reivindicar tal inclusão. Que, de tão digna, vai deixar as aulas de português mais mulher. Poetas terão um novo recurso para materializar em letras a explosão de sentimentos ainda sem título.
Mulheremos!

Por Natália Freitas




Sinopse

Ato I

Antes era a brecha.
Intermediada pelo caos.
Um assombro de paz.
E uma janela aberta.
História não escrita.
Gestos gastos.
Uma esquina.
Chão pisado de pedra sabão.
Seis casas até o céu da amarelinha.
Pulou uma.
Outra.
E outra.
Chuva que ganhou o jogo.
Escooorre giz.
Escorre.

Ato II

Faxina no armário.
Levou o que cabia no tempo.
Daquela bolsa velha, apenas um zíper pra tragar as expectativas.
Um amor de querer:
pular, beijar, amassar, molhar.
História mal escrita.
Varreu os cacos.
Pra debaixo do tapete.
Canção ensaiada de não.

Ato III

Ela não era só forte.
Não queria. Não podia.
Foooorte.
Era aquilo tudo. Aquilo pouco. Aquilo muito.
E era.
Também, só ela.
Estava quase lá. Sendo dela.
E o mundo disse:
-pera aí, tá indo aonde?

Ato IV

Estava ali no meio do salão.
Rodopiava ... piava.
Não lhe era difícil sentir a gota de suor que escapava pelas costas.
A saia giraaaava. Olhos fechados. Sentia.
Tudo podia ser assim, tão simples.
Um corpo. Movimento.
Dizem que equilíbrio é se movimentar pr…

Um risco

há um encanto em suas linhas
um punho que apruma e ruma ao novo
giro e mais giro. e outro giro. tu te mostras
extrapola os teus círculos. posso sentir
caligrafia obedecida
voz empostada
sobraram as brechas
preenchidas pelas deformidades
avulsas
incoerentes
tangentes
de um mesmo caminho solitário
que une a todas nós
somos letra pra fazer poema
somos alfabeto pra fazer revolução

Por Natália Freitas

Cabrita solta

Há tantas elas em mim Negras há Indígenas também Há tantas elas em mim Amasiadas Largadas Amadoras Rasgadas Sabedoras Há tantas elas em mim E por todo lugar que passo Uma delas tá ali Em dia de sol danado Solta o aço dos dentes Há tantas elas em mim Passeia molhada e descalça De ventre esguio e cabelos maremotos Há tantas elas em mim Saiu sozinha na madrugada Quebrou regras, vielas Ergueu o copo limpo questionável Brindou à morte, aos orixás, à vida Kalunga Há tantas elas em mim E não há nenhuma Que detenha Explique Defina Nesse mundo todo Quem delas mais assobia: Muié, eu to aqui


Por Natália Freitas