Pular para o conteúdo principal

Alguém viu Noel?


Há tempos que o bom velhinho não mais me engana. Para ser exata, desde que dei de cara com meu pai pondo meu presente embaixo da cama. Poxa, como eu não precisava ter tido aquela experiência! Tudo bem que o meu velhinho também era barrigudo e daria um bom papai Noel. Mas não, não era ele que eu queria encontrar naquela noite.

Essa história me veio à mente quando dia desses eu me deparei com uma situação no mínimo endêmica das nossas relações fetichistas. Eu estava no ônibus de uma pitoresca cidade que, nos próximos dias, será meu novo endereço, Aracaju. Tudo convergia para ser mais um fim de tarde como qualquer outro: ônibus cheio, pessoas com rostos cansados e pouca paciência. 

Já ouvi por várias vezes comentários do tipo: " Oh, como nessa época do ano tudo se enche de magia. É mesmo o espírito de natal." Creio que por ter ouvido tanto, terminei acreditando. Não fosse a surpresa que tive nesse tal fim de tarde em terras sergipanas. 

Lá pelas tantas de minha viagem, entrou no ônibus uma certa figurinha que não tinha mais do que 8 ou 9 anos. De cheio que estava o transporte, eu só ouvia aquela pequenina voz começando o ritual de apresentação. Neste momento, eu só pensei: "como é cotidiano essas crianças pedindo em transportes públicos". Meu espanto se deu quando o menino começou a explicar o que o trazia ao coletivo. Quem raios imaginava um garoto pedindo ajuda para comprar sua roupinha de natal?! roupinha de natal, isso mesmo!

Pois é, mas o meu estranhamento não parou por ai. Não bastasse um garoto ter coragem de pedir para ter uma roupa nova de natal, a reação das pessoas foi ainda mais surpreendente. Os passageiros olhavam para o garoto como a um bandido de colarinho branco. Ouvi até um "Era só o que me faltava... pedir pra comprar roupa nova. Se ainda fosse pra comprar comida..." O fato é que poucos o ajudaram. O menino desceu do ônibus e eu o acompanhei com os olhos até onde pude. E não conseguia parar de pensar. Pensar no tanto de antagonismos que regem essa sociedade. Nem com tantas luzes a iluminar a cidade, nem assim... 

Enquanto as ruas fervem de pessoas a perambular por um modelito novo. Enquanto crianças fazem suas listas para o velho Noel. Enquanto pais compram presentes para suprir a falta de um beijo, de uma boa conversa. Enquanto amigos e nem tão amigos compram presentes para confraternizações chatas. Enquanto essa tal normalidade vigora, lá embaixo, para os de baixo, só resta olhar pra cima e ver a que horas esse tal trenó chegará.

Comentários

  1. Veja qto paradoxo nas falas dessas pessoas ne?! Lamentável!

    Bem observado, srta Rosita!



    Em breve este blog nos trará a realidade Sergipana como ela é..e isso muito me instiga a curiosidade!


    Grande, bjo!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Memória, a paga do tempo

- Eu rasgaria o tempo assim pudesse!
- O tempo não, a lembrança dos que dele lembram.

(...)

Vejo uma rua.
Sessenta e quatro ladrilhos a me apontar que o esgoto ainda fede.

(...)

Baco treme em risos e avisa a Zeus que a composição desta estória está vermelha de seus melhores vinhos.

(...)

Direcionam ao meu front canalhices de toda ordem. E até me fazem crer que a minha história anda atordoada, esquizofrênica.

(...)

E lhes respondo: Sim. Na minha esquizofrenia, ouço vozes de um passado expurgado com sangue, silêncio e dor.

(...)

E a minha história, meu caro, agora acende um cigarro, respira fundo e espera as cortinas se abrirem para o espetáculo recomeçar!



Guerras

Estou agora numa leitura.
Sobre um tempo de guerras e de pessoas costurando dignidades.
Estou agora absorta em mim. O livro já está sobre o colchão e eu em ti.
Não é possível, disse-me o tempo. É urgente, disse-me a memória.
Ela vagou sobre mim. Abriu uma trincheira insólita.

Vejo meu corpo deitado. Estou molhada da lama. E olho para o céu.
Uma vontade dilacerante de te contar por onde andei esses anos.
A razão me pune. Diz pra eu ficar muda e intacta.
A lama continua a umedecer minhas costas e cabelos.
E eu agora só queria te contar cada página desse livro, como nos velhos tempos.
A razão me chama tola. Me deixa de castigo, ali.. com o corpo úmido de lama.
Então me viro. Puxo o lençol e fecho os olhos.
Outro bombardeio.

"Todo amor que houver nessa vida"

Este texto não é para você, leitor algum, leitor qualquer. Também não o é para aquele que o acha que é: alguma coisa, alguma crítica. Aqui cabe muito mais.

São palavras retorcidas de minhas entranhas que só buscam nascer. Mas eu me estremeço, me torço, me encolho. Finjo que durmo. É mais fácil. E na calada da noite uma dor muito forte me toma. Chamo o médico. Ele não vem. O parto é inesperado.  E, por entre as últimas fagulhas da penumbra, eis que me deparo com um leito molhado, suado, de lençóis manchados. Pois é, elas saíram. Não têm meus olhos, nem meu torto nariz. Entretanto, não fogem ao seu destino de joelho. Como todas as outras: berram, exigem atenção e comida. Também, como todas as outras, me enebriam com o cheiro particular, com o macio da pele, com a tranquilidade do melhor dos sonos. E, quando parecem minhas, lançam-se a  fazer companhia a um outro qualquer.