Pular para o conteúdo principal

Ode à pungência




Enfadonha-me a vida desse jeito!
De exceções para justificar o injustificável
De ser maioria quando o assunto é a falta
Quero mesmo é o calor, o contato, o suor
Que à boca não seja vetado o direito de amar
Que lhe seja permitido um clássico EU TE AMO
Que, na ausência das palavras, seja permitido o silêncio significante
Quero mesmo é sentir-me no outro 
Sem medo de a este ser proibido me olhar nos olhos e aceitar um chocolate por mim oferecido
Nego o estranhamento, o impedimento, a naturalização do inaceitável
Reivindico o simples, o leve...
Que a todos seja permitido apreciar o crepúsculo de um dia calmo, o perfume das coisas, os olhares perdidos/achados
Baterei na porta da felicidade até que ela me atenda 
E só descansarei quando não mais precisarmos forjar um último dia do ano.


Comentários

  1. que coisa boa seria ver o mundo assim. mas já é um grande passo ter gente que projete o porvir dos sonhos. já amolece bastante a vida. belo texto. joao

    ResponderExcluir
  2. "Quero mesmo é o calor, o contato, o suor
    Que à boca não seja vetado o direito de amar"

    E tanto que a gente luta pra ser "humano" nessa vida nean?!

    E te desejo, entrando na onda do "happy new year": "todo amor que houver nessa vida"


    Bjaum, minha cara poetisa!

    ResponderExcluir
  3. Sabe quando o autor se joga em seus escritos? Tenho a impressão que escreves assim. Talvez o adjetivo certo seja sensibilidade...

    Que tua voz não cale, tens muito para falar...

    ResponderExcluir
  4. Da maioria
    o estranhamento
    a ausência
    das palavras reais.
    Me restou fugir
    com o poema vivo.

    Do caminho -
    mortos
    por
    mortos -
    evito
    trilhas
    não humanas
    fetiche
    de felicidade.

    Reivindico
    o simples verso
    que me emocione
    que me devolva
    o direito
    de sonhar.

    Lee Flôres Pires

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Memória, a paga do tempo

- Eu rasgaria o tempo assim pudesse!
- O tempo não, a lembrança dos que dele lembram.

(...)

Vejo uma rua.
Sessenta e quatro ladrilhos a me apontar que o esgoto ainda fede.

(...)

Baco treme em risos e avisa a Zeus que a composição desta estória está vermelha de seus melhores vinhos.

(...)

Direcionam ao meu front canalhices de toda ordem. E até me fazem crer que a minha história anda atordoada, esquizofrênica.

(...)

E lhes respondo: Sim. Na minha esquizofrenia, ouço vozes de um passado expurgado com sangue, silêncio e dor.

(...)

E a minha história, meu caro, agora acende um cigarro, respira fundo e espera as cortinas se abrirem para o espetáculo recomeçar!



ID essência

Água. Chaleira. Café.
Ebulição.  Camomila. Água. Chá. Transição. Sampa. Sopro. Pulmão. Poluição. Catavento. Ar. Criança. Distração. Corpo.Velhice. Morte. Evaporação. Casa. Imagem. Memória. Talhação. Caderno. Palavras. Tempo. Deglutição. Pés. Mar. Felicidade. Coração.


Quando chuva

Quando chuva eu era criança. A gente saía da escola correndo e chegava em casa parecendo pintinhos.
A mãe nos dizia, tira essa roupa molhada que é pra não adoecer!
Quando chuva a gente obedecia melhor a mãe porque tudo ficava mais lento e dava até vontade de obedecer. Aquele friozinho esquentava ainda mais o coração.
Quando chuva ela gritava da cozinha, venham comer, a comida tá na mesa!
Mas, quando chuva, a luz também ficava preguiçosa e ia embora. Era quando a mãe enchia a casa de velas e tudo ficava melhor. Os trovões davam medo, mas a mãe tava lá e nada podia nos acontecer.
O telhado mostrava sua gastidão. Aquele monte de buraco fazia a casa ficar toda ornamentada. Era um tal de balde aqui, bacia ali...
Quando chuva até o almoço ficava mais gostoso. Aquele cheirinho de terra molhada acariciava a pouca carne da penela. Mas não tinha problema, no fundo no fundo, a gente queria mesmo era o momento.
Éramos nós três. Eu, o irmão menor e a mãe.
Quando chuva depois do almoço a gente dor…