Pular para o conteúdo principal

Ode à pungência


Enfadonha-me a vida desse jeito!
De exceções para justificar o injustificável
De ser maioria quando o assunto é a falta
Quero mesmo é o calor, o contato, o suor
Que à boca não seja vetado o direito de amar
Que lhe seja permitido um clássico EU TE AMO
Que, na ausência das palavras, seja permitido o silêncio significante
Quero mesmo é sentir-me no outro 
Sem medo de a este ser proibido me olhar nos olhos e aceitar um chocolate por mim oferecido
Nego o estranhamento, o impedimento, a naturalização do inaceitável
Reivindico o simples, o leve...
Que a todos seja permitido apreciar o crepúsculo de um dia calmo, o perfume das coisas, os olhares perdidos/achados
Baterei na porta da felicidade até que ela me atenda 
E só descansarei quando não mais precisarmos forjar um último dia do ano.


Por Natália Freitas







Comentários

  1. que coisa boa seria ver o mundo assim. mas já é um grande passo ter gente que projete o porvir dos sonhos. já amolece bastante a vida. belo texto. joao

    ResponderExcluir
  2. "Quero mesmo é o calor, o contato, o suor
    Que à boca não seja vetado o direito de amar"

    E tanto que a gente luta pra ser "humano" nessa vida nean?!

    E te desejo, entrando na onda do "happy new year": "todo amor que houver nessa vida"


    Bjaum, minha cara poetisa!

    ResponderExcluir
  3. Sabe quando o autor se joga em seus escritos? Tenho a impressão que escreves assim. Talvez o adjetivo certo seja sensibilidade...

    Que tua voz não cale, tens muito para falar...

    ResponderExcluir
  4. Da maioria
    o estranhamento
    a ausência
    das palavras reais.
    Me restou fugir
    com o poema vivo.

    Do caminho -
    mortos
    por
    mortos -
    evito
    trilhas
    não humanas
    fetiche
    de felicidade.

    Reivindico
    o simples verso
    que me emocione
    que me devolva
    o direito
    de sonhar.

    Lee Flôres Pires

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Memória, a paga do tempo

- Eu rasgaria o tempo assim pudesse!
- O tempo não, a lembrança dos que dele lembram.

(...)

Vejo uma rua.
Sessenta e quatro ladrilhos a me apontar que o esgoto ainda fede.

(...)

Baco treme em risos e avisa a Zeus que a composição desta estória está vermelha de seus melhores vinhos.

(...)

Direcionam ao meu front canalhices de toda ordem. E até me fazem crer que a minha história anda atordoada, esquizofrênica.

(...)

E lhes respondo: Sim. Na minha esquizofrenia, ouço vozes de um passado expurgado com sangue, silêncio e dor.

(...)

E a minha história, meu caro, agora acende um cigarro, respira fundo e espera as cortinas se abrirem para o espetáculo recomeçar!


Por Natália Freitas



Cabrita solta

Há tantas elas em mim Negras há Indígenas também Há tantas elas em mim Amasiadas Largadas Amadoras Rasgadas Sabedoras Há tantas elas em mim E por todo lugar que passo Uma delas tá ali Em dia de sol danado Solta o aço dos dentes Há tantas elas em mim Passeia molhada e descalça De ventre esguio e cabelos maremotos Há tantas elas em mim Saiu sozinha na madrugada Quebrou regras, vielas Ergueu o copo limpo questionável Brindou à morte, aos orixás, à vida Kalunga Há tantas elas em mim E não há nenhuma Que detenha Explique Defina Nesse mundo todo Quem delas mais assobia: Muié, eu to aqui


Por Natália Freitas

Um risco

há um encanto em suas linhas
um punho que apruma e ruma ao novo
giro e mais giro. e outro giro. tu te mostras
extrapola os teus círculos. posso sentir
caligrafia obedecida
voz empostada
sobraram as brechas
preenchidas pelas deformidades
avulsas
incoerentes
tangentes
de um mesmo caminho solitário
que une a todas nós
somos letra pra fazer poema
somos alfabeto pra fazer revolução

Por Natália Freitas